Seguidores

Dados da transmissão

Web Rádio "Saudade Sertaneja"
Transmitindo em  
De Bauru, Estado de São Paulo, Brasil
Hoje ,   Horário de Brasília:
Música atual:

Rádio Clube da Viola de Bauru - para ouvir clique no play

O som da verdadeira Música Sertaneja

sábado, 11 de julho de 2009

Metade dos jovens do Rio já obedece à Lei Seca

Dia Online – 09/07/09

Mudança de atitude foi detectada por pesquisadores apenas após a aplicação das punições

Rio - Principais vítimas da mistura álcool-direção, os jovens começaram a mudar seu comportamento no trânsito: em dois anos, subiu de 36% para 50% o número de universitários que saem para a noitada de carro e não bebem.

Pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) com mais de mil estudantes de 13 faculdades de São Paulo e Rio mostra que o carioca é o mais obediente à lei de tolerância zero. Enquanto paulistas puxam a média para baixo (41%), 54% dos alunos do Rio dizem nunca misturar bebida e direção.

A pesquisa, com estatísticas de 2007 a 2009, aponta que, depois de um ano em vigor, a Lei Seca é aprovada por 84%. O estudo mostra que a mudança de atitude só é significativa a partir da nova legislação, em junho de 2008. Mesmo assim, 34% dos universitários admitem andar de carona com motorista que bebeu. Aluno de Cinema da UFF, Rodrigo Séllos, 24 anos, apóia a lei. “Deixei de dirigir à noite e acho ótimo. Vou de ônibus e na volta racho o táxi com alguém”, conta, admitindo que pegaria carona com amigo que bebeu caso não tivesse opção. “Primeiro, falaria para ele não beber e, se pudesse voltar de táxi, faria isso”.

Segundo a pesquisa, os motivos que levam o carioca e o paulista a obedecer à lei são diferentes. No Rio, o medo de multas e a possibilidade de ser preso são a causa para 35%. E 38% dizem cumprir a legislação por conhecer os riscos de beber e dirigir. É essa a razão que motiva 52% dos paulistas que não misturam bebida e volante.

Rodrigo crê que os dois motivos andem juntos: “Quando você vê blitz pela cidade toda, sabe que a lei é levada a sério, e isso colabora para que se tenha medo de cometer crime”.
ENVIADO POR:
Waldecir Antonio José da Cunha
Instrutor/Senat/Bauru

Nenhum comentário:

Postar um comentário