Seguidores

Dados da transmissão

Web Rádio "Saudade Sertaneja"
Transmitindo em  
De Bauru, Estado de São Paulo, Brasil
Hoje ,   Horário de Brasília:
Música atual:

Rádio Clube da Viola de Bauru - para ouvir clique no play

O som da verdadeira Música Sertaneja

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Pesquisa sobre ingestão de álcool

Informativo CISA – 17/07/09

ESTUDOS & PESQUISA:

image003

Ingestão alcoólica entre vítimas de causas externas atendidas em um hospital geral universitário

Entre os pacientes atendidos no pronto-socorro, 31,8% acusaram presença de álcool no sangue (alcoolemia positiva) e apresentaram comparativamente aos pacientes com alcoolemia negativa (sem álcool no sangue), maior freqüência de episódios de hospitalização (70,4% vs 37,9%). O resultado de alcoolemia positiva foi mais prevalente entre as vítimas de agressão física (57,1%) comparada às vítimas de queda (18,2%) e de acidentes de trânsito (29,3%). Padrão semelhante foi observado entre os pacientes internados, cujo consumo de álcool previamente ao episódio de trauma foi investigado através de entrevista. Observou-se que 67,4% dos pacientes internados haviam consumido álcool antes do trauma, assim como 24,9% das vítimas de acidentes de trânsito e, finalmente, 19,3% das vítimas de queda.

Independente do tipo de paciente (se atendido no serviço de emergência ou internado), aqueles que tinham bebido previamente ao trauma eram predominantemente homens (85,2% e 80,4%), tinham sofrido o trauma durante o final de semana (63% e 57,8%), frequentemente à noite (59,3% e 57,8%) e apresentaram pontuação positiva para o CAGE (81,5% e 82,2%)(ou seja, faziam uso abusivo e problemático de álcool).

Para finalizar, conforme os autores, entre as vítimas de trauma, ser homem, ter sofrido agressão física e realizar uso abusivo de álcool despontaram como possíveis fatores associados ao consumo de bebidas alcoólicas previamente ao acontecimento de trauma, sugerindo a necessidade de planejamento de políticas públicas que possam reduzir esse comportamento, assim como, reduzir os custos econômicos e sociais de seus desdobramentos.

Autores: Efigênia Aparecida de Freitas, Ismênia Diniz Mendes e Luiz Carlos Marques de Oliveira

Fonte: Revista de Saúde Pública 2008 42(5):813-21

Nenhum comentário:

Postar um comentário